quinta-feira, março 01, 2012

Sou seu, mas sem eu


Parecia não acreditar. Das escassas surpresas da vida, não esperava nunca por essa. No meio da multidão de homens e mulheres permutados entre si num pequeno cubículo, alguém num ímpeto que jamais pensei que existiria gritou com eloqüência:

“Se você estiver interessado por uma pessoa, você gritará ‘Esse aqui é meu’ e sairá com a pessoa, mas isso só é valido para a parte feminina. Valendo!”

Gritos e mais gritos eram proferidos. Cá e lá. Canto a canto. Abraços por abraços. Beijos por beijos. Um mar de felicidade. Já não sobrava ninguém. Ainda não tinha sido escolhido. O lugar foi se esvaziando. Me virei para a parede. Passei a encarar minha sombra, minha única companhia. Até que escutei um “esse aqui é meu” em minha direção. Abasteci minha alma em conforto, mas eis que ao curvar meu corpo, me deparei que aquilo não passou de um eco do meu desejo pela sala vazia. 

3 comentários:

  1. Ótimo texto! Gostei das palavras escolhidas para forma-lo, e do que ele expressa! Ótimo blog, aliás. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Giovana querida.

    Digo o mesmo para o teu blog.

    ResponderExcluir
  3. E quantas vezes nos deparamos assim: a mercê das escolhas alheias.
    Lindo isso Tiago. Muito lindo. ^-^

    ResponderExcluir